Siga, curta e

Receba nossa

Compartilhe

  • icon_instagram
  • icon_facebook
  • icon_mail
  • icon_phone

Newsletter

Urbitá é um projeto da 

  • Urbitá

Como os holandeses usam a arquitetura para alimentar o mundo

A Holanda é o segundo maior exportador mundial de produtos agrícolas. Isso é notável quando se considera que o único país que a ultrapassa são os Estados Unidos, 237 vezes maior em área terrestre. No entanto, a Holanda exportou quase US $ 100 bilhões em produtos agrícolas apenas em 2017, bem como US $ 10 bilhões em produtos relacionados com a agricultura. O segredo do sucesso da Holanda está no uso da inovação arquitetônica para reimaginar como uma paisagem agrícola pode ser.


Foto: Tom Hegen



A Holanda é o segundo maior exportador mundial de produtos agrícolas. Isso é notável quando se considera que o único país que a ultrapassa são os Estados Unidos, 237 vezes maior em área terrestre. No entanto, a Holanda exportou quase US $ 100 bilhões em produtos agrícolas apenas em 2017, bem como US $ 10 bilhões em produtos relacionados com a agricultura. O segredo do sucesso da Holanda está no uso da inovação arquitetônica para reimaginar como uma paisagem agrícola pode ser.


A forma como a Holanda usa a arquitetura para alimentar o mundo parece melhor vista desde cima. Em imagens como The Greenhouse Series de Tom Hegen, a agricultura holandesa é definida por vastas paisagens de estufas, algumas das quais com 71 hectares, que dominam a paisagem arquitetônica do sul da Holanda. No total, o país possui 93 quilômetros quadrados de estufas, uma área 56% maior que a ilha de Manhattan.


Fotos: Tom Hegen


Na região de Westland, conhecida como a "capital de estufa da Holanda" pela National Geographic, essas estruturas estão mescladas na paisagem, preenchendo lacunas entre cidades, subúrbios e industrias. Como aparece nos estudos da National Geographic, essas paisagens são frequentemente definidas por "fileiras do que parecem ser espelhos gigantes que se estendem pelo campo, brilhando quando o sol brilha e irradiando uma luz interior quando a noite cai".


Sob o mar de telhados de vidro iluminado, especialistas em tecnologia usam sistemas hidropônicos e energia geotérmica para gerar rendimentos incomparáveis usando poucos recursos. As estufas holandesas usam 1,1 galões de água por 4,5 kg de tomate produzido, em contraste com a média mundial de 25,6 galões, com alguns agricultores produzindo mais de 100 milhões de tomates por ano a partir de 14 hectares de terra. Isso só é possível graças a um ambiente interno controlado, onde temperaturas e umidade precisas são combinadas com uma baixa ameaça de contaminação e sem pesticidas.


Fotos: Tom Hegen


O desempenho ambiental das estufas é baseado em considerações arquitetônicas. Os tetos com vidros duplos permitem a retenção de calor, enquanto as estruturas de aço modulares leves permitem a rápida expansão e adaptação, sem impedir a luz natural. Empresas como a Duijvestijn Tomatoes são ainda mais inovadoras, já que o CO2 de uma refinaria de petróleo local da Shell é canalizado até as estufas para ajudar no crescimento das plantas, enquanto as luzes LED permitem o crescimento da noite para o dia. Como Hegen aponta ao refletir sobre sua série fotográfica, tirada à noite, a lei holandesa diz que 98% da iluminação elétrica deve estar contida dentro das estufas usando telas e cortinas opacas, para mitigar a poluição luminosa.


A manifestação dessas estruturas construídas no campo holandês é o resultado de fluxos globais de políticas e ideias. No início dos anos 2000, os holandeses assumiram um compromisso nacional com uma nova forma de agricultura sustentável, que viu a eliminação de pesticidas químicos em estufas e uma redução de antibióticos em 60% desde 2009. Enquanto isso, o que impulsiona essa inovação é a Wageningen University & Research (WUR), uma instituição considerada a fonte dos principais pesquisadores mundiais em agricultura. À medida que surgem novas técnicas e entendimentos sobre como alimentar as crescentes populações urbanas, áreas rurais como as da Holanda continuarão se adaptando e crescendo em resposta, afastando-se do idílico e natural e, mais ainda, do artificial, industrial e controlado.


Essa transformação arquitetônica do campo continuará acelerando à medida que o crescimento da população urbana exija mais. Até 2050, o mundo abrigará 10 bilhões de pessoas, contra 7,8 bilhões hoje. O resultado será a necessidade de maiores rendimentos agrícolas, usando menos água, menos energia e menos terra. A Holanda oferece uma narrativa de como as tipologias arquitetônicas irão manifestar as mudanças nas relações entre as cidades e o campo, bem como as relações entre comida e urbanismo.


Foto: Tom Hegen


A medida que a profissão arquitetônica lida com o rápido ritmo da tecnologia, que continua transformando o processo de desenho e construção, os arquitetos podem ser convocados cada vez mais a reimaginar novas formas de configurar estruturas eficientes, contextualizadas e integradas para o futuro da agricultura. Essa possibilidade já ocupava a mente do fundador da OMA, Rem Koolhaas, escrevendo para a ICON em 2014: “a agricultura da terra agora é uma prática digital. Por exemplo, o trator, que revolucionou a fazenda no século XIX, tornou-se uma estação de trabalho computadorizada. É uma série de dispositivos e sensores que criam uma interface digital sem interrupções, mas separadas, entre o controlador e a terra. O campo em termos de como trabalhamos está se tornando semelhante à cidade. O agricultor é como nós: um trabalhador flexível que opera em um laptop de qualquer lugar possível. [...] isso não significa que tudo está ruim. É irônico que tais transformações drásticas não estejam no radar de nossa educação e pensamento”.


Publicado originalmente por ArchDaily Brasil (29 de janeiro de 2020)

https://www.archdaily.com.br/br/932634/como-os-holandeses-usam-a-arquitetura-para-alimentar-o-mundo